Iraklion-Djibouti

antes... Tires-Iraklion

    Depois de resolvido um arreliador problema da selectora de combustível do "Alice", que não permitiu a utilização do tip tank direito no trajecto Cascais-Iraklion, fomos para o ar às 15:30 UTC. Descolei à frente seguido, cerca de meia hora depois, pelo Faria e Mello.

    Descolagem normal em direcção ao Egipto, onde deveríamos ter entrado por Alexandria. Assim não quis o controlo do Cairo que nos conduziu para uma rota paralela. Inicialmente acreditei que se tratava de evitar a zona das bases militares sediadas à volta do Cairo (já tivera essa experiência vindo de Luxor para Alexandria) e que rapidamente retomaríamos o nosso plano de voo. Errado! Continuamos por essa rota paralela até à fronteira com o Sudão, o que nos custou cerca de uma hora suplementar de voo e alguma insistência enérgica com o controlo, que nos queria enviar para um ponto de saída directo à Arábia Saudita. Valeu-nos a preciosa ajuda de uma tripulação da AIR LUXOR que via rádio nos ajudou a localizar o malfadado ponto e nos retransmitiu (chama-se um relay em termos aeronáuticos) as comunicações com o Cairo.
    Tive direito a uma pequena dose de adrenalina quando o motor tossiu com um ligeiro problema de vapor na linha de combustível, problema esse previsto no manual, objecto de um autocolante no painel do avião, mas que não deixa de provocar uma súbita aceleração cardíaca quando ocorre. Se calhar esse é o verdadeiro segredo para não dormir nos voos longos! Uff !
    Este voo segundo a avisada opinião do Faria e Mello foi duro, sobretudo muito trabalhoso, com muito tráfego rádio. A madrugada apanhou-nos na Eritreia onde um pressuroso controlador nos solicitou o nome do operador dos aviões para poder debitar os direitos de sobrevoo. Obtida a informação não voltou à frequência, apesar de chamado por nós várias vezes.
14:30 horas depois da descolagem, aterrámos em Djibouti. Cansados, mas satisfeitos pela maneira como superamos esta etapa tão dura ainda sem o traquejo necessário, que só virá lá para o meio da viagem.
 

Delfim Costa

a seguir... Djibouti-Seychelles